Banco Nacional de Formadores já reúne uma centena de cadastros

Três dias depois de lançado com as novas funcionalidades do EducaEnfam, o Banco Nacional de Formadores já conta com 101 formadores cadastrados.

“É uma ideia antiga que levamos à Enfam e que tem tudo para dar certo”, conta a juíza federal Cintia Brunetta, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5). Com o colega Luciano Campos de Albuquerque (foto ao lado), do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), ela faz parte da primeira leva de formadores que já inseriram seus dados no sistema.

O Banco Nacional de Formadores reúne informações cadastrais, currículos e atividades docentes realizadas por magistrados e demais profissionais certificados nos cursos de formação de formadores que têm interesse em atuar em cursos oficiais de formação e aperfeiçoamento de magistrados em todo o Brasil.

Desde segunda-feira (5), a base de dados está disponível para consulta no site da Enfam. Com interface simples e intuitiva, a ferramenta permite às escolas localizar profissionais aptos a atuar como docentes nos mais variados temas.

Pesquisa fácil

Cintia Brunetta é coordenadora em cursos de formação inicial e continuada de magistrados, e diz conhecer bem as dificuldades para encontrar formadores. “Você acaba sempre tendo de recorrer a indicações de terceiros”, explica. “Com o Banco Nacional, a pesquisa fica mais fácil e o processo, como um todo, perde um pouco da pessoalidade”.

Segundo Thiago de Andrade, coordenador de Tecnologia da Informação da Enfam, os profissionais interessados em se cadastrar no sistema têm de atender a apenas três requisitos: titulação mínima de nível superior; conclusão com aproveitamento de cursos do Programa de Formação de Formadores da Enfam (equivalente ao nível 1); e confirmação, ao inserir os dados, do interesse em constar do Banco.

O cadastro é todo preenchido numa única página e parte das informações – como os temas de atuação do formador – podem ser registradas com a simples seleção de opções, sem necessidade de digitação.

Mais que facilitar a seleção de docentes, o Banco Nacional de Formadores servirá também para apoiar o processo de aproveitamento de formadores certificados. Isso porque a Enfam e as escolas judiciais e de magistratura deverão assegurar que um percentual mínimo dos formadores atuantes em cursos oficiais de formação e aperfeiçoamento de magistrados sejam certificados com aproveitamento em cursos de formação de formadores realizados pela Enfam ou por ela credenciados. Resolução nesse sentido deve ser apreciada pelo Conselho Superior da Enfam na próxima sessão ordinária.