Enfam realiza curso de Antropologia e Direito dos Povos Indígenas

Começou hoje e segue até amanhã (12), a etapa presencial do Nível 2 do Curso de Formação de Formadores promovido pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam).

A ação formativa, de modalidade híbrida, tem carga de 24 horas-aula, sendo 16 horas-aula presenciais e 8 horas-aula a distância – essa última etapa já realizada de 3 a 8 de setembro.

Na abertura, o Desembargador Eladio Lecey recebeu a antropóloga Lêda Leitão e as lideranças indígenas do povo Makuxi, Jacir José de Souza e Eudina Gabriel, da aldeia Raposa Serra do Sol, localizada no estado de Roraima.

A presença dos Makuxi foi essencial para a compreensão dos magistrados a respeito do funcionamento organizacional da vida indígena. A líder Eudina Gabriel ressaltou a importância da inserção de pessoas indígenas na Universidade Federal de Roraima (UFRR), além da criação da Organização das Mulheres Indígenas de Roraima (Omir), a qual inseriu o projeto de confecção de artesanato e o de corte e costura para jovens e adultos.

A antropóloga Lêda Leitão ministrou sobre conceitos culturais de sociedades distintas contrapondo as perspectivas capitalista e indígena. Ela destacou a autonomia, concepção familiar, política e econômica próprias dessas comunidades. “As sociedades indígenas não são sociedades menores culturalmente. Elas têm por intencionalidade o querer viver dentro dos limites que a natureza lhes impõe”, disse.

Com a ação educacional, os participantes deverão estar aptos a abordar, em sua atuação docente, conceitos da antropologia e aspectos culturais dos povos indígenas para a interpretação e a aplicação do direito.

Veja mais fotos no Flickr da Enfam.