Magistrados participam de Formação Inicial em Minas Gerais

Nesta segunda-feira (2), 70 novos juízes substitutos, que tomaram posse na última quinta-feira (29), iniciaram o curso de Formação Inicial coordenado pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), com o apoio da Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef), do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Durante a semana de ação formativa, será abordado o conteúdo humanístico e ético, com enfoque em temas como questões raciais e de gênero; impactos sociais, econômicos e ambientais das decisões judiciais, e a proteção do vulnerável. Além disso, haverá palestras com juízes convidados de diversos estados, sob a supervisão da secretária-geral da Enfam, Cíntia Menezes Brunetta.

O presidente da Comissão de Desenvolvimento Científico e Pedagógico da Enfam, Eladio Luiz da Silva Lecey, destacou a importância de magistrados experientes contribuírem para a formação dos novos. “Precisamos ser super-homens e supermulheres para decidir, mas não somos preparados para isso nas faculdades. A troca de conhecimentos vai propiciar uma formação mais qualificada aos novos magistrados”, disse.

A 2ª vice-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e superintendente da Ejef, Áurea Brasil, explicou que o curso tem como objetivo preparar os novos juízes para a prática da vivência da magistratura. “Eles chegam afiados com a parte teórica, mas necessitam conciliá-la com os desafios de julgar e decidir conflitos”, disse.

A desembargadora ressaltou, ainda, a importância do cultivo da humildade e do olhar fraterno diante das demandas apresentadas. São várias características que devem ser aprofundadas, entre elas, o aprimoramento do conhecimento jurídico, a visão crítica e socialmente responsável.

Na oportunidade, o presidente do TJMG, desembargador Nelson Missias de Morais, destacou também que a sociedade pede por juízes que tenham por prioridade aplicar a justiça. “Que atuem sem a pressão da mídia ou de redes sociais. Que tenham uma postura adequada ao cargo e sejam uma figura isenta no processo. Que apliquem a régua da Justiça”, frisou.

Após o módulo aplicado pela Enfam, os novos juízes terão três meses de curso com aulas direcionadas para a elaboração de sentenças e outras atividades práticas. A desembargadora Áurea Brasil explica que eles também serão recebidos nos fóruns da capital e do interior do estado para vivenciar um pouco a futura rotina de trabalho.

Fonte: TJMG, com adaptações | Fotos: Cecília Pederzolli/TJMG