Dia dos Professores

Que esta data, 15 de outubro, seja apenas o referencial daquilo que deve ser todos os dias do ano: agradecimento pela manifestação da sabedoria em nossas vidas.

É o que deseja a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados – Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira (Enfam) para todos aqueles que exercem o labor do ensino nas nossas vidas.

Saiba mais: O Dia do Professor foi criado com o empenho da professora Antonieta de Barros, uma das três primeiras parlamentares do Brasil; única negra, até então, eleita em 1934 deputada estadual por Santa Catarina.

Antonieta nasceu em Desterro, Florianópolis, em 11 de julho de 1901. Sua bandeira política era o poder revolucionário e libertador da educação para todos. O analfabetismo em Santa Catarina, em 1922, época em que começou a lecionar, era de 65% e ela empenhou esforço particular na educação de adultos.

Professora formada, tinha 17 anos quando fundou o curso particular “Antonieta de Barros”, com o objetivo de combater o analfabetismo de adultos carentes.

De seus opositores nos jornais e nas bancadas, ouviu que “mulheres não deveriam opinar, pois nasceram para servir”, “que a natureza não dá saltos, cada ser deve conservar-se no seu setor, e a finalidade da mulher é ser mãe e ser rainha do lar” e que “não seguisse o exemplo de Anita Garibaldi, uma vagabunda”. Ela, no entanto, defendia-se argumentandoque uma mulher não podia ser virgem de ideias.

O Dia dos Professores foi criado por Pedro I em 15 de outubro de 1827. A data era comemorada informalmente, mas foi um projeto de Antonieta que a transformou em feriado escolar (Lei n. 145, de 12 de outubro de 1948), em Santa Catarina. A data seria oficializada no país inteiro somente 20 anos depois, em outubro de 1963, pelo presidente da República João Goulart.

Fonte: https://brasil.elpais.com/opiniao/2020-10-15/antonieta-de-barros-a-parlamentar-negra-pioneira-que-criou-o-dia-do-professor.html?ssm=whatsapp