Diretor da Enfam recebe representantes da Educafro

O diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), ministro João Otávio de Noronha, recebeu na manhã desta quarta-feira (19) representantes da Organização Não-Governamental Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescentes e Carentes). Em carta entregue pessoalmente ao ministro, o diretor executivo da Educafro, Frei David Santos, solicitou que a Enfam estude as […]

O diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), ministro João Otávio de Noronha, recebeu na manhã desta quarta-feira (19) representantes da Organização Não-Governamental Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescentes e Carentes). Em carta entregue pessoalmente ao ministro, o diretor executivo da Educafro, Frei David Santos, solicitou que a Enfam estude as propostas de estabelecimento de cotas para negros nos concursos públicos para juízes, pagamento de bolsa-auxílio aos candidatos para ingresso na magistratura oriundos dessas cotas, e para promoção de cursos e outros eventos voltados à temática da discriminação racial.

Cerca de 50 pessoas ligadas à Educafro ouviram uma declaração do ministro na qual ele reforçou a importância de movimentos que promovam a inclusão dos negros. De acordo com o ministro, movimentos sociais como esses estão aos poucos abrindo as portas não apenas aos negros, mas a todas as pessoas excluídas. Ele narrou sua trajetória pessoal, contando que, assim como muitos jovens ali presentes, também veio de uma família humilde e teve que lutar muito para ter uma carreira de sucesso e que as propostas apresentadas seriam objeto de estudo pela Enfam e pelo Diretores de Escolas da Magistratura.

Após o pronunciamento do ministro, alguns jovens presentes ao encontro foram convidados a darem seu depoimento pessoal. “As palavras do ministro foram um exemplo de superação. Hoje eu posso dizer que tenho mais um bom motivo para superar obstáculos”, disse uma colaboradora da Educafro em seu depoimento.

“Hoje estamos aqui na Enfam com o ministro Noronha para discutirmos a importância da inclusão do negro em todos os setores do Judiciário”, afirmou o frei David Santos. “Tenho certeza que a partir de hoje vamos estabelecer uma parceria forte”, comemorou.

“Para nós é fundamental que em todos os concursos públicos para juiz haja questões étnicas, para que eles estudem mais o papel dos negros na história do Brasil.  A nossa mensagem para os juízes do Brasil inteiro é que abram seu coração para o novo”, registrou o diretor-executivo da Educafro.

A Educafro é uma entidade que trabalha com cursos preparatórios para vestibular para alunos carentes, especialmente para os negros,  tendo adquirido notoriedade em sua luta pela declaração da constitucionalidade da política de cotas para negros junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).