“Conhecer Acessível”: projeto trouxe palestras sobre programas de inclusão e acessibilidade

Palestrantes compartilharam experiências do Senai, das Apaes e da UFMG

A Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), em parceria com a Rede de Acessibilidade e a Escola do Poder Judiciário de Roraima (Ejur/RN), realizou, na manhã desta sexta-feira (29/4), as últimas exposições do ciclo de palestras do curso “Conhecer Acessível, teoria e práticas da inclusão”.

Entre os palestrantes estiveram a especialista em psicopedagogia Adriana Barufaldi, a psicóloga e educadora Cecília Gomes Muraro Alecrim e a professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Terezinha Cristina da Costa Rocha.

Senai
Adriana Barufaldi, que é representante do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), falou sobre a experiência da empresa nos últimos 20 anos trabalhando pela inclusão e acessibilidade.“Estou muito feliz de estar aqui hoje para falar da experiência de mais de duas décadas do Senai, trabalhando pela inclusão, para que possamos chegar a este momento e poder dizer que o Senai é uma escola para todos. Sem vírgulas”, destacou Barufaldi, que enfatizou que “todos somos iguais na diferença”.

Apae
“As experiências das Apaes – emprego assistido” foi o tema da palestrante Cecília Gomes Muraro Alecrim, que tratou da prática da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do Distrito Federal (Apae/DF), destacando os programas de educação profissional e sócio ocupacional e as atividades acadêmicas da instituição.“O movimento das Apaes é importantíssimo. Um movimento grande, que atende e faz inclusão, que vem brigando pela garantia e garantindo o direito das pessoas com deficiência”, explicou a educadora. A palestrante ainda defendeu a importância de que a sociedade “lute e brigue” pela inclusão das pessoas com deficiência. “Somos jardineiros e estamos plantando as sementinhas”, finalizou.

UFMG
Já a professora Terezinha Cristina da Costa Rocha falou sobre o “Programa de Formação Transversal em Acessibilidade e Inclusão” da UFMG e compartilhou um pouco de sua trajetória individual, defendendo a importância de uma sociedade inclusiva. “Tenho contato com pessoas com deficiência desde a minha infância, estudei em escolas inclusivas. Eu acompanhava as aulas através dos interpretes de Libras. Essas pessoas hoje são minhas amigas. Então, foi a partir desse momento e dessas experiências que decidi que queria trabalhar por uma sociedade mais justa e inclusiva”, explicou ela.

Workshops
O projeto “Conhecer Acessível” conta ainda com dois workshops, que acontecerão nos dias 6 e 9 de maio, com os temas “Linguagem simples” e “Práticas pedagógicas assistidas”, sempre das 9 h às 12 h.

Encerramento
O ciclo será encerrado no dia 16 de maio com a presença do Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Romeu Sassaki, que trará o tema “Inclusão: por onde podemos trilhar”. Na sequência, o professor e consultor em Tecnologia Assistiva e Políticas Inclusivas, Marco Pellegrini, falará sobre “A dicotomia entre o simples e complexo nas atividades diárias”.

O evento será transmitido ao vivo pelo canal da Enfam no YouTube. No mesmo local também estão disponíveis todas as palestras do “Conhecer Acessível”.