Desembargador Eladio Lecey fala sobre prática e humanismo em formação inicial do TJMT

A Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) iniciou na segunda-feira (3/10) o Módulo Nacional da Formação Inicial para os novos juízes substitutos do Poder Judiciário de Mato Grosso. O curso se encerra no próximo dia sete de outubro e está sendo realizado em parceria com a Escola Superior da Magistratura de Mato Grosso (Esmagis-MT).

Esta é uma etapa obrigatória do curso e os magistrados recém-empossados terão aulas sobre ética e humanismo; gestão de pessoas; demandas repetitivas e os grandes litigantes; sistema carcerário; questões de gênero; mediação e conciliação; assim como acerca do papel do juiz, controle de convencionalidade, a relação com o mundo virtual e com a sociedade e os direitos humanos.

Conforme a diretora em substituição legal da Esmagis – MT, desembargadora Serly Marcondes Alves, a experiência proporcionada pelo curso modificará o conhecimento dos juízes no tocante ao exercício da magistratura. “Esperamos que eles aproveitem ao máximo o aprendizado oferecido pelo desembargador Eladio, temos aqui um modelo e inspiração para a área da magistratura. Ele é um dos melhores formadores do País e os novos magistrados devem extrair as informações que precisarem para se preparar para atuar nas comarcas”.

Participação Enfam

Em sua explanação, o presidente da Comissão de Desenvolvimento Científico e Pedagógico Enfam, desembargador Eladio Lecey, assinalou que esta é uma oportunidade de ouro concedida aos juízes recém-ingressos, de ter à disposição um curso tão qualificado. “Vocês têm sorte, antes nós não tínhamos esse suporte de formação para atuar como juízes. Essa é uma proposta diferenciada com doutrina e jurisprudência prática com objetivo de proporcionar uma visão ampla, que preza pela ética e humanismo em todas as disciplinas”.   imagemnoticiastribunal-1

Para exemplificar os temas abordados, Lecey falou sobre as experiências vivenciadas como magistrado, acrescentando que a carreira de juiz não é limitada, ao contrário, necessita de constante atualização para a vida judicante. “Para instruí-los sobre as mais diversas demandas, vamos desenvolver atos realísticos e acompanhar decisões, situações que terão como intuito primordial aferir a vocação quanto à magistratura. Hoje os juízes têm grande bagagem científica, mas pouca vivência. Eles precisam entender que temos que ser sensíveis aos anseios da sociedade em relação à Justiça, entretanto devemos desempenhar o papel de juízes com humanidade”.

Conhecimento que é aguardado com grande expectativa, de acordo com o juiz substituto Francisco Junqueira Pimenta Barbosa Sandrin. “Esperamos o melhor do Módulo Nacional, sabemos que desde que foi criada a Enfam, a instituição prima pelas formações com excelência. E o fato de ser conferida prioridade ao dia a dia do magistrado nos habilita a transitar da teoria à prática, algo que irá nos auxiliar de forma significativa no exercício da profissão”.

Com informações da Coordenadoria de Comunicação do TJMT