Primeira edição do Formação de Formadores Avançado é bem avaliada

O primeiro Curso Avançado de Formação de Formadores realizado em Belo Horizonte (MG) foi aprovado pelos participantes. O evento foi resultado da parceria entre a Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), a Escola de Magistratura Federal (Esmaf) do TRF-1, a Embaixada da França e a Escola Nacional da Magistratura da França ENM).

Dezenove magistrados participaram do evento realizado nos dias 12, 13 e 14/3, entre juízes e desembargadores dos Tribunais Regionais Federais da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª. Regiões e dos Tribunais de Justiça do Rio Grande do Sul, de São Paulo, do Paraná e do Maranhão. As aulas foram ministradas em língua francesa pela instrutora Catherine Grosjean, juíza da Corte de Lyon e coordenadora regional da ENM, e traduzidas simultaneamente em português.

O último dia do evento foi marcado por dinâmicas de grupo e simulações. O objetivo da fase final da programação foi o de criar instrumentos de avaliação formativa. Um dos principais pontos abordados foi a necessidade de um plano pedagógico mais estruturado para formação dos juízes.

Avaliação

A instrutora do curso Catherine Grosjean afirmou que ficou satisfeita com a realização do curso e, sobretudo, com o desempenho da turma de magistrados. “Estou extremamente satisfeita com o resultado. Os objetivos da formação de nível avançado foram atingidos. Eu insisti, com os alunos, na importância de um referencial de competências, e na necessidade vital do planejamento da formação, da administração do tempo, de se construir um cenário de competências, enfim, de desenvolver as competências de avaliação formativa. E dei destaque à avaliação por meio de simulação, muito utilizada em cursos, para que não seja um teatro, mas uma atividade formativa”, assinalou.

A magistrada francesa afirmou que o resultado superou as expectativas. “O que aconteceu foi extraordinário. Os formandos tinham que fazer muitas coisas, num tempo muito reduzido, e sem nenhuma instrução autoritária da minha parte, à exceção das instruções sobre a gestão do tempo. Coloquei muita pressão, mas eles se organizaram com total autonomia, para conceber cenários e roteiros de estudos de casos complexos e muito originais. Tivemos um exemplo de produção coletiva de qualidade muito alta. Realmente, estou admirada diante das competências dos brasileiros! Estou muito honrada de poder participar desse momento em relação à formação de magistrados – é um momento extraordinário, fora do comum”, finalizou.

A instrutora acredita que, certamente, haverá outros desdobramentos da parceria entre as escolas de magistratura brasileiras e a Escola Nacional de Magistratura Francesa.

Na avaliação da juíza federal Vânila Cardoso André de Moraes, da Seção Judiciária de Minas Gerais, o curso teve uma característica de interação muito importante, pois reuniu juízes estaduais e federais. Destacou que todos os participantes já tinham uma experiência na atuação como formadores, pois haviam feito o módulo básico e colocado em prática as metodologias aprendidas.

A juíza Vânila Moraes destacou que “aprendemos muitos métodos pedagógicos, para que possamos passar as informações de uma forma ativa, participativa, mas sem esquecer o sentido da formação do magistrado – pois este tem a função primeira de defender o bem humano máximo, que é a Justiça. É a partir da formação do juiz que se consegue trilhar um caminho, para que ele possa exercer de forma consciente sua função na sociedade”.

A magistrada Vânila Moraes agradeceu à secretária executiva da Enfam, Rai Veiga, a quem chamou de “grande sonhadora, idealizadora e parceira” e aos servidores e colaboradores da Seção Judiciária de Minas Gerais, que organizaram o evento.

Fonte: Com informações da Ascom/SJMG