Servidor Público e Tecnologia da Informação são temas do curso de Administração Judiciária

“A gestão de pessoas é absolutamente essencial e estratégica. As pessoas são nosso material de trabalho”, disse o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Antonio Saldanha Palheiro ao discorrer sobre o tema O Servidor Público, durante aula sobre Gestão de Pessoas, no curso de Administração Judiciária, na manhã desta quarta-feira (24/5). O evento é promovido pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam).

Para Saldanha, o Judiciário vende serviços e precisa ter colaboradores bem preparados para executar esses serviços. “Desenvolver qualidades nas pessoas é essencial, pois o fator humano é tudo”, ressaltou.

O ministro – que foi advogado de uma multinacional e trabalhou com negociações sindicais na área de recursos humanos dessa empresa – ressaltou que o juiz sozinho não consegue entregar o resultado que é esperado dele pela sociedade e, para que isso aconteça, é necessário auxílio de uma equipe bem preparada.

Ele destacou as peculiaridades do servidor público em relação aos empregados da iniciativa privada, e discorreu sobre pontos importantes da vida funcional de um servidor do Judiciário: do recrutamento ao encerramento da carreira.

Saldanha disse ainda que a diferença no trabalho de um tribunal é feita por uma gestão eficiente, preocupada em administrar seu pessoal de maneira que os problemas sejam identificados e corrigidos tão logo se apresentem.

O ministro destacou que o servidor tem de sentir que o gestor está interessado no bem-estar dele, “essa é a liderança genuinamente eficaz”. Segundo ele, se o servidor estiver comprometido com o serviço, tudo flui.

Tecnologia da Informação

O juiz Marivaldo Dantas e o servidor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Lúcio Melre da Silva falaram sobre a Governança de Tecnologia da Informação.

Os investimentos técnico e financeiro na área de Tecnologia da Informação dos últimos anos fizeram com que o Judiciário brasileiro avançasse de forma diferenciada no tema, possibilitando a criação de novas ferramentas dentro do processo eletrônico que permitem uma análise melhor e mais rápida de processos, afirmou o juiz Marivaldo Dantas, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN).

Segundo Lúcio Melre, a Tecnologia da Informação deve contribuir para ampliar processos de segurança e otimizar recursos. Ele apresentou as resoluções do CNJ que tratam do tema e destacou que o objetivo principal das resoluções é que todos os ramos da Justiça operem com mais qualidade. “As diretrizes de Tecnologia da Informação têm de nascer dentro das estratégias da organização”, afirmou.

Para o juiz Marivaldo, a gestão de pessoas é o atual “calcanhar de Aquiles” da área de Tecnologia da Informação. “Precisamos de um quadro permanente de pessoal com políticas para fixar esses recursos humanos na área”, defendeu.

Acesse as fotos no Flickr

Fonte: Secretaria de Comunicação Social/STJ

Leia mais:

Governança e qualificação do magistrado para a melhor eficácia do Judiciário

Relacionamento com a mídia, transparência e governança dominam o segundo dia de curso na Enfam

Ministro Nancy Andrighi e Mauro Campbell ressaltam a importância da Corregedoria na formação do juiz

Enfam discute caminhos para melhor gestão do Poder Judiciário